26/08/2019 08:17
Por: SESCONAM

Período de transição da PEC 45/2019 pode resultar em burocracia e aumento de custos.

Presidente da Fenacon divulga vídeo destacando pontos da Reforma Tributária que devem ser revisados


A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45/2019 (Reforma Tributária), que tramita na Câmara dos Deputados, prevê um período de transição de 10 anos, com entrada gradual do novo sistema. Demonstrando preocupação sobre o tema, o presidente da Fenacon, Sérgio Approbato Machado Junior, divulga vídeo alertando que a medida pode resultar no aumento de burocracia, de custeio e de pessoal.

“Da maneira como está a PEC, o país irá conviver com dois mecanismos tributários por uma década, com dupla estrutura de fiscalização do Estado e de contabilidade das empresas. Na prática, um brutal aumento de burocracia, de custeio e de pessoal”, disse.

Segundo o texto da PEC 45, durante os dois primeiros anos, o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) seria criado com alíquota de 1%, reduzindo-se compensatoriamente a alíquota da Cofins. Nos demais oito anos, ocorreria a redução progressiva das alíquotas dos cinco tributos atuais (IPI, PIS, Cofins, ICMS e ISS, que seriam extintos no final da transição) e da elevação da alíquota do IBS.

“Hoje, uma empresa brasileira gasta em média 1.958 horas por ano apenas com pagamentos de impostos. Imaginem com a necessidade de contabilidade dobrada e novas obrigações acessórias”, alertou Approbato.

Fonte: Fenacon

e-mail:
sesconam@fenacon.org.br

Rua Maria Quitéria (antiga Rua 09), nº 324, Conjunto Castelo Branco, Parque Dez de Novembro.
CEP 69.055-270. Próximo ao Banco do Brasil do Parque Dez, Manaus - AM
Tel: (92) 3234-1909 | (92) 3304-1257

 Developed by